domingo, 29 de maio de 2011

Psicóloga é condenada por receitar orações para "curar" gays.


Patrick Strudwick se passou por um homossexual confuso e que precisava de ajuda, ativista LGBT e jornalista do The Guardian, passou 2 anos frequentando clínicas que ofereciam tratamentos de reversão e agora luta para denúnciar tais práticas na Grã Bretanha.

The Guardian, 27/05/2011:


Terapias de Reversão: ela tentou me fazer "orar afastando o homossexualismo." Dois anos atrás, Patrick Strudwick começou a desafiar os terapeutas que alegaram que poderia mudar a sexualidade de um paciente. Esta semana, ele venceu sua batalha contra um.

Ele os descreveu como "irresponsáveis", "desrespeitosos", "dogmáticos" e "pouco profissionais". Por quê? A psicoterapeuta Lesley Pilkington tinha tentado transformar um homossexual em hetero.
Esta semana, Lesley Pilkington, 60 anos, foi considerada culpada de "tratar" um paciente de sua homossexualidade. A audiência na Associação Britânica de Aconselhamento e Psicoterapia - a maior organização profissional para terapeutas da Grã- Bretanha concluiu que o tratamento se constituí um "procedimento profissional condenável".
O veredicto unânime veio com pesadas sanções. O registro da Pilkington na Associação foi suspenso. Ela foi obrigada a completar um treinamento extensivo de desenvolvimento profissional. Se ela não apresentar um relatório dentro de seis a 12 meses, satisfazendo o conselho apresentando o que foi pedido, ela terá seu registro totalmente revogado e será expulsa da Associação.
O relatório concluiu: "A senhora Pilkington deixou sua ideias pessoais e preconceituosas sobre o estilo de vida gay e orientação sexual de seu paciente afetar a sua relação profissional de uma forma que é prejudicial."
O cliente que Pilkington tentou curar era eu. Eu sou um homem gay assumido e feliz. Estava disfarçado, investigando os terapeutas que praticam essa terapia chamada conversão (também conhecida como terapia reparativa, (ou terapia de reversão sexual aqui no brasil)) - que tentam "orar para afastar o espírito de homossexualismo". Pedi-lhe para me transformar em hetero. Suas tentativas de fazê-lo desprezam cada um dos principais conselhos de saúde  física e mental da Grã-Bretanha.
Mas, apesar de décadas de abuso que os pacientes gays tenham recebido de terapeutas e psiquiatras, terapias electro-convulsivas utilizados até a década de 1980, as castrações química, a terapia de aversão (onde a dor é infligida a dissuadir fantasias do mesmo sexo) e apesar do recente aumento dos fundamentalistas falando em terapias, nunca ninguém foi responsabilizado.
Os pormenores deste caso, e de outro que eu estou atrás, explicam porque não só os clientes gays, mas os pacientes de saúde mental em geral, não se apresentam para reclamar. Os psiquiatras e psicoterapeutas rotineiramente evitam a responsabilidade e o governo está ajudando-os a fazê-lo.
Minha investigação começou em abril de 2009. Ouvi dizer que haveria uma conferência em algum lugar de Londres, por terapeutas e psiquiatras que queriam aprender a converter os seus pacientes para a heterossexualidade. A homossexualidade foi removida do glossário da psiquiatria de doenças mentais em 1973. Como, então, alguém poderia tratar algo saudável? Eu fui junto para descobrir, posando como alguém que procurava ser "curado". Duas pessoas concordaram em me tratar. O primeiro foi um psiquiatra, nós iremos a ele mais tarde. O segundo foi a Lesley Pilkington.
Algumas semanas depois eu estava em sua casa com um equipamento de gravação escondido no meu estômago. Ela começou a tentar encontrar a criança "ferida" que ela acreditava que levou a minha homossexualidade. Mas ela não o achou. "Não houve abuso sexual?" ela apertou. "Não."
"Eu acho que há algo lá... Você permitiu que as coisas fossem feitas para você?" Ela então pediu: "Pai, dai-nos permissão para trazer à tona algumas das coisas que aconteceram ao longo dos anos."Perguntei quem poderia ter cometido esse abuso - um membro da minha família? "Sim, muito provável", respondeu ela.
A homossexualidade foi causada por uma doença mental, um vício ou um fenômeno anti-religioso? "É tudo isso", disse Pilkington. Durante as sessões, ela recitou que fossem feitas orações sempre que eu pensasse sexualmente em um homem. Ela me deu dicas de como ser heterossexual, como jogar rugby, se abster de masturbação e me distanciar de amigos gays.
Quando os resultados da minha investigação foram publicados ano passado no The Independent , que provocou indignação generalizada. Até porque Pilkington afirmaram que ela tinha tido referências para "tratar" os clientes gays do consultório médico do NHS para o qual ela estava filiada. Como resultado da investigação, a British Medical Association aprovou uma moção condenando a terapia de conversão e chamando o NHS para investigar os casos em que podem ter inadvertidamente cobrado por eles.
Pouco antes de sua publicação, em Janeiro de 2010, fiz uma reclamação formal sobre a Pilkington junto a BACP. Mas até o Outono passado, pouco havia acontecido. Três datas para uma audiência foram feitas e, em seguida, canceladas. O BACP, que tem 32.000 membros, explicou que eles não conseguiram encontrar as pessoas para o júri. Por quê? "O parecer jurídico que nos foi dado é que os membros do juri não podem ser muito religiosos, mas nem podem ser abertamente pró-gay", disse Fay Reaney do departamento de conduta profissional. Assim, como em uma denúncia sobre o racismo eles, portanto, não permitem alguém no juri que se opõe fortemente ao racismo? "Este é o conselho que nos foi dado", respondeu ela.
Uma nova data - 20 de janeiro - foi confirmada. Quatro dias antes da audiência Pilkington deu uma entrevista ao Sunday Telegraph , que contraria as recomendações da BACP que nenhuma das partes poderiam falar publicamente sobre o caso. Eu não tinha o nome dela em meu artigo original. Ela então foi ao rádio falar sobre isso. Em resposta à divulgação da Pilkington, 48 horas antes da audiência marcada, o BACP suspendeu e emitiu tanto para um quanto para o outro os acordos de confidencialidade.
Os acordos assinados teriam evitado um ou outro lado de falar sobre o caso. Minha advogada, Sarah Bourke, me aconselhou a não assinar. Mas eu não podia decidir. Eu não queria arriscar o caso, mas valeria a pena prosseguir se nunca pudesse ser discutido publicamente? O BACP não quis me dizer o que aconteceria se eu me recusasse a assinar.
Enquanto isso, representantes da Pilkington - a Christian Legal Centre - faziam reivindicações intrigantes. No dia em que a audiência teria ocorrido, eles afirmaram que ela foi adiada porque uma das testemunhas de defesa tinha sido objeto de "telefonemas ameaçadores, com ameaças e intimidação". Eu era a única pessoa nomeada em seu depoimento de advogados. Apesar de ter apresentado o depoimento de várias testemunhas, eu nunca soube seus nomes e o BACP não chamou qualquer um deles.
Mas o Daily Mail publicou uma reportagem independente: "Julgamento de terapeuta que tentou 'curar' gay é interrompida após" testemunha de defesa ser intimidada", gritava a manchete. Inúmeros sites cristãos repetiram as acusações. Pilkington continuou a dar entrevistas e fez uma palestra em outra conferência de terapias de conversão em Londres. Com os acordos assinados, o BACP decidiu ir em frente apesar de tudo. Qual foi o motivo de interromper o caso por quatro meses? O BACP não explicaria.
Por último, a data foi definida. Durante a audiência, a Pilkington disse que ainda "sente que há uma necessidade" da minha homossexualidade ser tratada. O juri perguntou-lhe se era uma boa prática dizer a alguém que tinha afirmado que não tinha sido abusado sexualmente: "Você deixava as coisas serem feitas com você?" Ela respondeu: "Não vi desse jeito".
O juri perguntou sobre sua crença de que a homossexualidade era errado, pecaminosa ou não natural. "Ah, sim", respondeu ela. "Não há dúvida sobre isso... Mas há uma saída."
Pilkington revelou que ela estava tentando converter um outro cliente gay para a heterossexualidade. Mas agora que ela está "mais experiente" sobre isso, ela usa um contrato adaptado de uma organização de terapia de conversão, com sede nos EUA. Igualmente surpreendente, no entanto, foi o que o juri perguntou-me: em que base eu afirmo que o BACP era publicamente contrário à terapia de conversão? Eu li em voz alta a carta que o BACP tinha escrito para o The Guardian em 2009, descreve a terapia como "absurda" e afirmando que ela "faz as pessoas com pensamentos homossexuais sofrerem de dor extra". O juri não tinha conhecimento da carta e da posição do BACP sobre o assunto. Após o almoço, o presidente anunciou que iria ignorar a declaração "não sei quem autorizou".
Conforme a audiência prosseguia, eu descobria a tensão que todos as vítimas passaram. Eu era interrogado longamente pelo advogado da Pilkington e pelo juri. Como é que alguém com problemas de saúde mental iria lidar com isso? E não é só os desafios emocionais que poderiam impedir as vítimas. Sem ser bem educado e ter assistência jurídica gratuita para interpretar a literatura jargão densa do BACP e letras legais, eu teria achado o incompreensível e intimidante processo.
A decisão do BACP no caso Pilkington, no entanto, ajudou a tranquilizar as vítimas da terapia de reversão. Desde o meu primeiro artigo publicado, dezenas de pessoas entraram em contato comigo descrevendo suas experiências. Jovens cujos pais tinham forçado a residência em casas de recuperação para 'curar gays", homens de meia-idade e mulheres que desperdiçaram décadas tentando ser hetero. Várias pessoas que tentaram o suicídio. Um rapaz me mostrou as cicatrizes de automutilação em seus braços. Eu pensava neles todos os dias.
Mas, embora este caso, servira como um precedente, não resolve o problema mais vasto. Mesmo Pilkington sendo condenada e sendo completamente desligada, ela ainda seria capaz de continuar a praticar reversão. Qualquer pessoa pode reivindicar ser um terapeuta na Grã-Bretanha, porque não há regulamentação estatal da profissão. "Psicoterapeuta" e "conselheiro" não são títulos protegidos. O BACP é uma auto-regulamentação, órgão independente. Ninguém precisa ser um membro. (No brasil você pode denunciar esses maus terapeutas pois o Conselho Federal de Psicologia tem uma resolução que condena quem pratica tais serviços).
O governo anterior havia planejado regular conselheiros e psicoterapeutas, colocando-os sob a mesma regulamentação dos Profissões de Saúde, em consonância com outros profissionais de saúde que já estão lá, como podólogos e arteterapeutas. Isso teria permitido uma oferta do órgão central para normalizar códigos de conduta. Mas, ao contrário do conselho do 
mental-health charities  a coligação decidiu não fazer isso. Em vez disso, o HPC irá introduzir um registo facultativo para os terapeutas.
Mas há uma outra discussão perturbadora nessa história: a de um psiquiatra. Seu nome é Dr. Paul Miller. Após encontrá-lo na conferência de Londres, como ele vive em Belfast ele concordou em "tratar" minha homossexualidade via Skype. Ele alega ter "resolvido" a sua própria sexualidade em conflito e agora está casada e com filhos.
Miller disse-me que a homossexualidade "representa uma patologia". Ele acrescentou: "Os homens que estavam tendo relações sexuais com outros homens ou se apaixonando por outros homens são tão ferido quanto você." Ele concluiu que, pelo meu pai ser materialista, e eu sempre ter sido mais criativo, isso impediu o "processo de afirmação de gênero" que por sua vez levou à minha sexualização por homens.
Seu conselho era para eu fazer massagens com massagistas do sexo masculino e ficar na frente do espelho nu, tocando-me, assim de alguma forma minha masculinidade / heterossexualidade seria afirmada. Ele me disse para visualizar uma luz vermelha quando estivesse excitado: "Eu quero que você mova o vermelho de seus genitais para o seu peito", disse ele.
Queixei-me ao General Medical Council (Royal College of Psychiatrists não tem competência para processos disciplinares). O RCPsych declarou: "Não há nenhuma evidência científica sólida que a orientação sexual pode ser mudada." No entanto, o GMC deixou Miller sem sequer um aviso, de fato, sem nenhuma audiência.
Depois de receber a minha reclamação que nomeou um psiquiatra - cuja identidade foi redigida - para escrever uma reportagem sobre a prova gravada que apresentei. O ponto central do relatório é que as práticas terapêuticas convencionais utilizados por muitos psicoterapeutas têm "muito ou pouca evidência científica" como a terapia de reversão. 
E ainda assim a terapia reparativa é baseada no trabalho da auto-proclamada psicóloga Elizabeth Moberly, que não é graduada em psicologia mas em Teologia, e cujas teorias não eram baseados em pesquisas clínicas. O documento, que é o guia profissional de orientação, Boa Prática Psiquiátrica , a que todos os psiquiatras são obrigados, afirma: "Um psiquiatra deve prestar cuidados que não discrimina e é sensível às questões da orientação sexual." O relatório do GMC relacionado à minha experiência conclui: "Eu não considero que as ações do Dr. Miller eram inconsistentes com as Boas Práticas de Psiquiatria." Vou recorrer.
A reação ao relatório foi desenfreado. O psiquiatra e escritor Dr. Max Pemberton disse-me:.. "A decisão do GMC é escandalosa a terapia de conversão tem sido demonstrada de forma consistente que é perigosa e prejudicial É uma vergonha que um médico qualificado esteja envolvido em tal prática, é uma vergonha ainda maior que o GMC não parece sentir que estes merece a sua atenção."
Um estudo realizado em 2002 nos EUA pelos psicólogos clínicos Ariel Shidlo e Shroeder Michael descobriu que 55% dos pacientes tiveram danos psicológicos na terapia de conversão, cujos resultados incluíram depressão e tentativas de suicídio.
Além disso, como Michael King, professor de psiquiatria na UCL, aponta: "Há um erro na lógica do GMC: a homossexualidade não é um diagnóstico que, portanto, oferecer qualquer tipo de tratamento pode ser prejudicial." Ele acrescentou: "A auto-regulação é um problema, profissões são introspectivas. As pessoas não gostam de criticar uns aos outros..."
Mas até que o governo intervénha, a auto-regulamentação continuará a proteger os psiquiatras e terapeutas. Pacientes insatisfeitos, entretanto, serão impedido de reclamar.
Dr Miller ainda está praticando em sua clínica, em Belfast. Lesley Pilkington pode continuar a levar pacientes a orar a Deus para "trazer à superfície" seus traumas inexistente.
Ninguém pode impedi-los.  

1 comentários:

Cara Comum disse...

E realmente inacreditavel que as pessoas ainda façam essas coisas de tentar "corrigir" a orientaçao sexual alheia...

Abraços!!!

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...